GPS na imprensa

Argentina e a geopolítica da alimentação

Marcelo Regúnaga, La Nación, 8 de dezembro de 2021

No século 21, e com maior ênfase nos últimos anos, a agenda internacional registrou mudanças nas prioridades das políticas e nos mecanismos de governança para questões críticas em nível global. Nesse novo cenário, de maiores desafios para atender à crescente demanda mundial por mais e melhores alimentos, dadas as restrições na disponibilidade e uso dos recursos naturais, e a necessidade de mitigar os impactos negativos sobre as mudanças climáticas do atual modelo de desenvolvimento econômico, o papel geopolítico dos sistemas alimentares emergiu com alta prioridade nos principais fóruns internacionais (Grupo dos Oito, G-20, Cúpula das Nações Unidas sobre Sistemas Alimentares, Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima). A importância estratégica do setor agroalimentar foi classificada em todo o mundo e os países estão revendo suas políticas a esse respeito.

A nível global, é necessário produzir mais alimentos, saudáveis e nutritivos, com menos recursos e de forma mais amiga do ambiente. É um desafio importante que impõe a necessidade de revisar as estratégias produtivas e as prioridades das políticas nos diferentes países. Muitas regiões do mundo deterioraram seus recursos naturais com sistemas de produção muito intensivos, que utilizam altas doses de energias fósseis (combustíveis, fertilizantes, etc.) que têm impactos negativos no aquecimento global, além do esgotamento e perdas da capacidade produtiva de seus recursos naturais (água e solo) e perdas de biodiversidade.

A situação atual difere substancialmente entre os diferentes países e regiões, portanto as necessidades e urgências nos processos de transformação dos sistemas alimentares exigidos também são diferentes. Isso foi reconhecido na recente Cúpula das Nações Unidas sobre Sistemas Alimentares, realizada em Nova York, a partir das valiosas e coordenadas contribuições dos Ministros da Agricultura das Américas, entre as quais a ativa participação da Ministra da Agricultura do Brasil, Tereza Cristina.

Sem dúvida, os sistemas de produção muito intensivos da Europa e da Ásia devem iniciar urgentemente um processo de transformações importantes, para evoluir para sistemas mais sustentáveis e com menos impactos ambientais, semelhante ao processo contínuo de melhoria da produção agrícola iniciado na Argentina há três décadas, que hoje nos permite ter uma situação muito melhor do que esses países.

Diante dos problemas de erosão e perda de fertilidade dos solos da região dos Pampas registrados até o final da década de 1980, devido ao uso de sistemas convencionais de produção, com equipamentos de lavoura semelhantes aos usados atualmente na Europa, os produtores argentinos iniciaram um processo de transformações graduais a partir do início dos anos 90, que começaram com a semeadura direta, ativamente promovida pela Aapresid (Associação Argentina de Produtores de Semeadura Direta) e que rapidamente se estendeu a quase toda a produção de grãos da Argentina, sem diferenciação de tamanhos ou localização dos produtores . A semeadura direta reduz drasticamente o preparo do solo, o que permite reduzir significativamente o uso de combustíveis e, consequentemente, as emissões de gases de efeito estufa; mas ao mesmo tempo, ao não destruir o solo como o cultivo convencional, contribui para reconstituir a estrutura e a microbiologia do solo, reduzindo assim as quantidades de fertilizantes a serem incorporadas ao solo e conseguindo um uso muito mais eficiente da água da chuva., obtendo na Argentina altas safras sem a necessidade de irrigação.

O processo de melhoria contínua incorporou gradativamente nos últimos 30 anos um conjunto de inovações que permitem afirmar que a agricultura argentina é uma das mais sustentáveis e ecologicamente corretas de todo o planeta; Isso foi reconhecido por especialistas de organizações internacionais, por exemplo, a FAO. Essas inovações incluem o uso massivo de sementes transgênicas com resistência a insetos e outras pragas, que permitem o controle biológico de pragas e, assim, reduzem o uso de agroquímicos, usam agroquímicos com baixo nível de toxicidade (faixa verde) e caminham para uma agricultura mais biológica e com menos impactos ambientais. O uso de rotações e a recente incorporação de plantas de cobertura também melhoram o uso da água e do solo. A isso se soma na última década o uso cada vez mais difundido da agricultura de precisão, que permite um uso muito mais eficiente de sementes, fertilizantes e das diferentes qualidades dos solos. É um processo de melhoria contínua rumo a uma agricultura produtiva, porém mais biológica e com menores impactos ambientais por unidade produzida, o que costuma ser denominado de “intensificação sustentável”.

A produção de carne na Argentina e no Mercosul também possui características distintas, que a diferenciam substancialmente dos sistemas intensivos da Europa e de outras regiões do mundo. A produção no campo com pastagens e em algumas áreas a pecuária silvo-pastoril, ambas sem irrigação, não só emite menos gases de efeito estufa por unidade produzida, como também os captura, melhorando substancialmente os balanços de carbono. Em muitos casos, os saldos são neutros em carbono ou até melhores, o que significa que podem ser usados em negociações internacionais para compensar as emissões de outros setores, como energia ou transporte.

Em ambos os casos, o setor agropecuário argentino é motivo de orgulho para o país, pois desde cedo incorporou os desafios de transformações para sistemas sustentáveis e ecologicamente corretos, propostos somente em 2021 na Cúpula das Nações Unidas sobre Sistemas Alimentares; e isso pode servir de exemplo para as transformações que são exigidas em outros países. Na verdade, essas inovações não só permitem a exportação de alimentos mais saudáveis e de baixa pegada ambiental para o resto do mundo, que constituem um componente estratégico para o crescimento de toda a economia nacional, como também já estão permitindo a exportação destes. tecnologias e equipamentos de maquinários para países da Europa e África, com alto valor agregado.

É um grave erro não levar em conta essas circunstâncias nas negociações internacionais em diferentes fóruns (G-20, COP, etc.), utilizando métricas geradas em países desenvolvidos para sistemas de produção completamente diferentes dos nossos. A influência cultural desses países e de algumas ONGs sem bases científicas na realidade local pode levar a graves erros estratégicos para um país como a Argentina, afetando o poder geopolítico proporcionado por sua enorme capacidade produtiva com sistemas sustentáveis e ecologicamente corretos. O potencial para avançar nesse processo de liderança mundial no setor de alimentos é muito grande, se políticas de apoio à produção e inserção internacional forem implementadas na Argentina semelhantes às aplicadas pelos países vizinhos do Mercosul e em geral nas Américas., Que estão permitindo isso. uma posição muito boa no contexto mundial.

Coordenador do GPS na Argentina, membro consultor do CARI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print