Eventos

GPS participou de eventos organizados pelo setor privado internacional na COP26

Sobre COPs

Em 1992, a ONU organizou um grande evento no Rio de Janeiro denominado Cúpula da Terra, no qual foi adotada a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).

En este tratado, las naciones acordaron «estabilizar las concentraciones de gases de efecto invernadero en la atmósfera» para evitar la peligrosa interferencia de la actividad humana en el sistema climático. En la actualidad, el tratado cuenta con 197 signatarios.

Desde 1994, año en que entró en vigor el tratado, la ONU reúne cada año a casi todos los países del planeta en Conferencia sobre el cambio climático o «COP», que significa «Conferencia de las Partes».

O Acordo de Paris foi adotado no âmbito da COP21, em 2015, e seu principal objetivo é limitar o aquecimento global bem abaixo de 2, de preferência 1,5 graus Celsius, em comparação com os níveis pré-industriais. Os compromissos assumidos no Acordo de Paris avançam em ciclos de 5 anos nos quais os países apresentam seus planos de ação climática conhecidos como Contribuições Determinadas Nacionalmente (NDC).

Más información sobre estas conferencias y sus resultados

COP 26: a presidência britânica, os resultados alcançados e os olhares para o futuro

A COP26 (que deveria ter sido realizada em 2020 e foi adiada pela pandemia COVID19) foi realizada em Glasgow de 1 a 14 de novembro. 

A declaração final da COP26 (Pacto Climático de Glasgow) fue adoptada el sábado 13 de noviembre con la firma de 197 países presentes.  El resultado formal de las negociaciones fue un acuerdo de compromiso que, aunque permitió mantener vivo el objetivo de reducción de 1,5 grados, resultó decepcionante para muchos de los participantes.

Quanto aos compromissos gerais assumidos:

Finança

A Plenária de Encerramento adotou várias decisões sobre finanças (ver Pacto Climático de Glasgow, Financiamento climático de longo prazonova meta coletiva quantificada sobre financiamento climático; y e questões relacionadas ao Comitê Permanente de Finanças).  Sin embargo, los países más vulnerables expresaron una profunda decepción por el hecho de que la promesa de $ 100 mil millones para 2020 permaneciera pendiente y también expresaron su preocupación con respecto a la calidad del financiamiento proporcionado, refiriéndose a préstamos con altos intereses que a menudo se incluyen en los informes de financiamiento climático. Algunos delegados dijeron que las discusiones sobre finanzas resultaron en una ruptura de la confianza entre las partes.

Artigo 6

Após anos de negociações, os países finalmente adotaram regras para a implementação do Artigo 6 do Acordo de Paris sobre os mercados de carbono. Os textos das decisões finais cobrem três questões importantes sob o Artigo 6: dois mecanismos que permitem o funcionamento eficiente dos mercados internacionais de carbono, Artigo 6.2 e Artigo 6.4, e um terceiro baseado em abordagens não comerciais, Artigo 6.8.

O acordo sobre as regras fundamentais relacionadas com o Artigo 6 fornecerá a base para a certeza e previsibilidade das abordagens mercantis e não mercantis de apoio à mitigação e adaptação. No entanto, muito mais trabalho precisa ser feito e um trabalho técnico adicional significativo será necessário para definir e implementar as regras de uma forma que funcione para a economia real e proteja a integridade ambiental e a ambição do Acordo de Paris.

Prazos comuns 

As negociações sobre a questão dos prazos comuns, período em que todos os países devem apresentar e comunicar seus PADs ou compromissos climáticos nacionais, concluíram com a adoção de um texto final.

Enquanto muitos países apoiavam um único prazo comum de 5 anos, outros pediam um prazo mais flexível com compromissos de 10 anos ou combinações diferentes. Os textos finais “encorajam” todas as partes a apresentarem compromissos a cada cinco anos, começando em 2025 cobrindo o período 2031-2035, com uma formulação mais flexível do que os textos legais da UNFCCC.

Agricultura

Reconhecendo a importância do setor agrícola para a adaptação e mitigação das mudanças climáticas, as Partes têm discutido essa questão no âmbito do denominado Grupo de Trabalho Conjunto Koronivia sobre Agricultura estabelecido na COP23.

Na COP26, os países adotaram conclusões preliminares sobre como melhorar o uso de nutrientes, melhorar os sistemas de gestão da pecuária e a segurança socioeconômica e alimentar. As conclusões reconhecem a importância dessas questões e também o papel do setor privado, mas não formalizaram um compromisso concreto sobre a implementação. Por ello, los órganos subsidiarios de la CMNUCC acordaron continuar trabajando sobre estos asuntos en la próxima reunión entre sesiones, prevista para junio de 2022, con la finalidad de producir un proyecto de decisión a ser adoptado en la COP27, a desarrollarse en noviembre de 2022 no Egito.

Além desses resultados (considerados escassos por muitos países), houve vários anúncios e compromissos durante a conferência.

  • Os Estados Unidos e a China se comprometeram a aumentar a cooperação climática na próxima década. (consulte https://www.state.gov/u-s-china-joint-glasgow-declaration-on-enhancing-climate-action-in-the-2020s/
  • Deforestación: más de 120 países, que representan alrededor del 90% de los bosques del mundo, se comprometieron a detener y revertir la deforestación para 2030. El compromiso firmado por los países esta acompañado por 12 mil millones de dólares de financiamiento público y 7 mil millones de inversiones privadas para apoyar la deforestación y la restauración de ecosistemas.  (https://ukcop26.org/glasgow-leaders-declaration-on-forests-and-land-use/
  • Carvão: mais de 40 países - incluindo grandes consumidores de carvão como Polônia, Vietnã e Chile - concordaram em abandonar o carvão como fonte de energia, embora sem o compromisso da China e da Índia (dois países-chave no uso do carvão).
  • Finanças climáticas: quase 500 empresas de serviços financeiros globais que concordaram em alinhar US $ 130 trilhões - cerca de 40% dos ativos financeiros mundiais - com as metas estabelecidas no Acordo de Paris (https://www.gfanzero.com/netzerofinancing
  • Combustíveis fósseis: 11 países que criaram a Beyond Oil and Gas Alliance (BOGA). Irlanda, França, Dinamarca e Costa Rica, entre outros, bem como alguns governos subnacionais, lançaram esta aliança, a primeira do tipo, para definir uma data de conclusão para a exploração e extração de petróleo e gás em nível nacional (https://beyondoilandgasalliance.com
  • Compromisso Global de Metano: iniciado pela UE e os EUA em 2021. Durante a COP26, muitos países aderiram a este compromisso para mitigar as emissões de metano em 30% até 2030. Este compromisso já inclui mais de 100 países. Tem apoio financeiro inicial de $ 300 milhões para sua implementação, de acordo com John Kerry na época de seu lançamento. https://www.globalmethane.org/index.aspx

O papel do GPS

Embora o aspecto mais relevante das COPs seja a negociação entre os estados, o setor privado participa de várias formas. O papel da agricultura (e especialmente do Cone Sul) está se tornando cada vez mais importante no quadro de estratégias de mitigação baseadas em soluções baseadas na natureza (NBS por sua sigla em Inglês).

A GPS tem participado de eventos do setor privado em COPs há vários anos.

En esta oportunidad, se organizó un seminario virtual en el marco de la plataforma global de ICC (International Chamber of Commerce) “Make Climate Action Everyone’s Business Forum”.  El panel contó con la participación de Sabine Papendieck (Argentina), Eduardo Bastos (Brasil) y Lucía Pittaluga (Uruguay) y fue moderado por Martín Fraguío (Argentina).  El video de la sesión está disponible en nuestro canal no Youtube.

Integrantes da GPS Paraguai e Uruguai fizeram parte de várias delegações que estiveram presentes em Glasgow.

Também participamos da última edição da publicação Latam Investor, dedicada à COP26, com artigo de Martín Fraguío e Paloma Ochoa sobre o papel da agricultura dos países do Mercosul na mitigação das mudanças climáticas. 

Atualmente, continuamos a participar e co-organizar eventos sobre os impactos futuros dos acordos alcançados em Glasgow e o papel das cadeias de valor agroindustriais de nossa região em uma estratégia que aborda, ao mesmo tempo, cuidado ambiental, sustentabilidade e segurança alimentar.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print